Desde 1990 a Allergan sabia dos riscos de cancer ligados ao silicone!

De acordo com alegações levantadas em uma ação judicial apresentada contra a Allergan, a fabricante sabia que efeitos colaterais de seus implantes mamários poderiam causar câncer desde pelo menos a década de 1990, mas continuaram a vender seus produtos sem qualquer informação.
A denúncia foi apresentada por Carol Burnside no Tribunal Distrital dos EUA, no Distrito do Colorado em 10 de abril de 2019, em face da Allergan e Inamed Corporation.

Em sua demanda, Burnside informa que foi submetida a uma mastectomia dupla em 2004, após ser diagnosticada com lesões pré-cancerosas. Um ano depois, ela passou por uma cirurgia de reconstrução mamária com implantes mamários. No entanto, um deles se rompeu, e ela foi novamente implantada com próteses McGhan estilo 410 da Allergan.
Durante vários anos, ela teve inchaço e dor no seio esquerdo, o que levou à cirurgia do explante em abril de 2017. Naquela época descobriu-se que um tipo de câncer havia se desenvolvido no tecido ao redor do implante e ela foi diagnosticada com uma forma rara de linfoma agora comumente referido como linfoma associado ao implante de mama (BIA-ALCL).

A FDA divulgou em janeiro de 2011, pela primeira vez, um relatório sobre os riscos entre os implantes mamários e o linfoma anaplásico de grandes células (ALCL).
Em 2017, a agência emitiu uma declaração atualizada sobre informações emergentes dos problemas de linfoma de implante mamário e vários estudos subsequentes confirmaram que o risco de câncer de implante de mama ALCL é real.

No entanto, as informações processuais indicam que os primeiros casos de BIA-ALCL foram reportados em 1994, ressaltando que a Allergan conhecia essa informação e a omitiu dos consumidores e da comunidade médica para proteger seus lucros.
“Apesar dos réus saberem da associação entre implantes mamários e linfoma BIA-ALCL desde 1990, os mesmos falharam propositalmente em cumprir com suas obrigações de vigilância pós-comercialização claramente estabelecidas e, ao fazê-lo, expuseram muitas centenas de milhares de mulheres ao câncer ”, afirma o processo de Burnside.

“Na época em que os implantes mamários de McGhan foram colocados no corpo de Carol Burnside, ela não foi avisada, nem teve nenhum conhecimento independente, de que os implantes de mama da McGhan eram outra coisa senão produtos seguros e duradouros. Ela também não foi informada de que o produto estava associado e / ou conhecido por causar câncer.

Em 2019, o FDA realizou uma audiência de dois dias sobre segurança e benefícios do implante mamário, revelando que recebeu dezenas de milhares de relatos de complicações sobre os implantes mamários.
Apesar das preocupações crescentes, o painel de conselheiros da FDA decidiu não retirar os implantes mamários do mercado, limitando-se em fazer um alerta em caixa preta acerca dos riscos de câncer nos rótulos do produto.

Fonte:
https://www.aboutlawsuits.com/allergan-breast-implant-cancer-risk-lawsuit-155661/