Perguntas Frequentes

Por que os implantes mamários provocam problemas de saúde?

 

R: Os implantes mamários são grandes objetos estranhos compostos de mais de 40 produtos químicos e têm invólucros semipermeáveis que vazam gel de silicone, metais pesados e produtos químicos desde o dia em que são implantados. Essa interferência artificial de um corpo estranho tóxico dentro do organismo provoca perturbações no sistema imunológico e, em seguida e por consequência, afeta outros sistemas, criando uma cascata sistêmica de desregulação.

 

 

Qual a diferença entre Síndrome Asia e Doença do Silicone?

 

R: A Doença do Silicone é caracterizada por uma constelação de sintomas crônicos de saúde resultantes, principalmente, da intoxicação química provocada pelos implantes ( silicone, metais pesados, componentes químicos e biotoxidade). Embora utilizados como sinônimos, a Sindrome Ásia é apenas UM dos muitos aspectos da chamada “Doença do Silicone” – o aspecto que mimetiza doenças autoimunes.

 

Quais tipos de implantes de silicone estão associados à doença?

 

R: Todos os implantes de silicone podem causa doenças.

Os implantes de solução salina também podem causar sintomas sistêmicos porque têm um invólucro de elastômero de silicone.

 

Existem outras opções estéticas além dos implantes de mama?

 

R: Sim, existem opções estéticas mais seguras que o implante de silicone, como a mastopexia ( para corrigir flacidez) associada ou não à lipoenxertia (para aumentar volume).

 

Como fazer diagnóstico de Doença do Silicone?

 

R: Não há teste (s) definitivo (s) para determinar se seus implantes são a causas de suas doenças. A manifestação de sintomas do corpo pós implantes é a melhor indicação de uma reação. É uma doença invisível que muitas vezes não é detectada ou diagnosticada corretamente. Envenenamento químico, toxidade de silicone, toxidade de metais pesados  e biotoxidade são frequentemente fatores subjacentes.

Os implantes mamários comumente afetam quais órgãos?

 

R: Os implantes afetam todos os sistemas, principalmente:

- Metabólico (fadiga)

- Neurológico (disfunção cognitiva)

- Endócrino (tireóide, adrenal, hormônios sexuais, ADH)

- Imune (infecções virais, fúngicas, bacterianas e autoanticorpos de formação)

- Digestivo e gastrointestinal ( disbiose, intestino gotejante, má absorção, intolerâncias alimentares)

 

Rupturas podem aumentar os sintomas?

 

R: Vazamentos, rupturas e degradação da casca podem aumentar os sintomas em razão do aumento da dispensão de substâncias tóxicas. E quanto mais tempo eles estão no corpo mais provável que ocorra ruptura. As estatísticas são um pouco assustadoras, porque em torno de 50% dos implantes de silicone rompem no período de 10 anos. E o risco aumenta em 90% no período entre 15 a 20 anos.

 

Quantos pacientes com implantes têm uma doença relacionada ao silicone?

 

R: Não há dados científicos suficientes que apontam o percentual de incidência da Síndrome Asia e, tampouco, de pacientes que desenvolvem doença do silicone após a cirurgia de implante, razão pela qual não sabemos a real dimensão do problema. Não obstante, no tocante as doenças autoimunes clássicas, o maior estudo retrospectivo realizado até hoje  (MD Anderson 2018) concluiu que os implantes de silicone estão associados a um risco significativamente aumentado (até 800%) de doenças autoimunes.

 

Quando começarei a me sentir melhor depois do explante?

 

R: A maioria dos pacientes notam uma melhora em sua saúde geral  imediatamente após a cirurgia. Outros melhora, mas não se recuperam completamente. A melhora depende da idade do paciente, da saúde antes da implantação e da duração da doença. Devem ocorrer melhorias  laboratoriais e clínicas significativas nos primeiros dois anos após o explante. A evolução pós explante é bastante individual, mas os estudos científicos são promissores.